Contar histórias vende?

Contar histórias vende?

Recentemente contactei uma fotógrafa e pedi um orçamento para uma sessão pessoal. Disse-lhe que detestava tirar fotografias ? E pedia a ajuda dela para conseguir algo que não fosse muito formal e que fizesse transparecer quem sou.

Isto foi o que ela me respondeu:

Entendo perfeitamente o que me escreves, pois sinto exactamente o mesmo, ao ponto de se tivesse que escolher entre dentista e sessão fotográfica em estúdio, estaria no minuto seguinte sentada na cadeira azul, com babete e tudo e a pedir o “bochecho de menta”.

Estou constantemente a necessitar de fotografias, e a conhecer pessoas como nós, e a conclusão a que cheguei é que não podes fazer ninguém sentir-se à vontade num estúdio fotográfico, por muito bom fotógrafo / psicólogo que sejas. Todo o ambiente é constrangedor e estranho, pelo que é compreensível quando dizes que não te reconheces nas fotografias, não é simplesmente o teu lugar, não estás à vontade e tudo isso transparece.

Assim sendo, ofereço opções para ultrapassar este obstáculo, como deslocar as luzes de estúdio até tua casa ou fotografar-te num qualquer local ao ar livre onde te sintas tranquila – para mim é a Gulbenkian ou o Jardim Botânico porque são zonas frescas desta cidade cheia de sol.

A história que ela me contou envolveu-me tanto que, quando cheguei ao final do email, o valor que ela pedia pareceu-me perfeitamente razoável.

E estou certa que assim não teria sido se ela tivesse simplesmente respondido com o valor do trabalho.